O significado de “Graça” é favor imerecido. Algo que se recebe sem ter dado nada em troca. Sob a graça, é necessário compreender que nós, seres humanos, não merecemos nada que venha da parte de Deus. Não merecemos Sua atenção, Seus cuidados, Suas bênçãos (por mais simples que pareçam ser)! No livro “Maravilhosa Graça”, Philip Yancey diz que, como alvo da graça divina, “não há nada que você possa fazer para Deus te amar mais; e não há nada que você possa fazer para Deus te amar menos”. Significa que somos alvo do amor de Deus, sem ter feito nada para merecer!

Compreender – e fazer com que se compreenda – esta realidade é fundamental. Apesar de a Graça não ser algo entendível pela capacidade limitada da mente humana, é necessário ter gravado no coração que não somos merecedores do que vem de Deus. Esta semana, li o livro “Consolo”, de Eleny Vassão, nele, ela fala que “Jó era agradecido pelos bens que Deus lhe permitira possuir. Ele não achava que Deus era obrigado a lhe dar todas as coisas boas por ele ser um homem bom. Sabia que tudo que recebia era pelo amor e pela graça de Deus, não por seus méritos pessoais” (Consolo, p. 39).

“Viver e aceitar a Graça é saber que se amamos a Deus é porque Ele nos amou primeiro e, assim, cultivamos em nós esse relacionamento com o Senhor, entendendo que se não fosse por Seu amor incondicional viveríamos uma “des”graça eterna, escravos do pecado, vulneráveis a todo tipo de ações do inimigo.”

Quando compreendemos isso, passamos a gerar gratidão em nosso coração, quer seja pela salvação que recebemos (que nos dá vida eterna), ou pelo dom da vida e das bênçãos que nos cercam no dia a dia. Ricardo Zandrino, faz a seguinte observação: “A gratidão gera alegria de viver e ser agradecido é a expressão de maturidade e saúde. A gratidão nos leva a sentir a vida como um presente constante” (Curar também é tarefa da igreja, p. 46).

Viver e aceitar a Graça é saber que se amamos a Deus é porque Ele nos amou primeiro e, assim, cultivamos em nós esse relacionamento com o Senhor, entendendo que se não fosse por Seu amor incondicional viveríamos uma “des”graça eterna, escravos do pecado, vulneráveis a todo tipo de ações do inimigo (Satanás e seus demônios). É preciso compreender isso para que nosso relacionamento com Deus não esteja baseado em momentos de bonança, e nossa fidelidade esteja acima de tudo o que Ele nos dá. Só assim, seremos fieis até o fim.

Em Jesus,

Douglas =)

 

Anúncios