Arquivos para posts com tag: Liderança

agradaradeus

“Acaso busco eu agora a aprovação dos homens ou a de Deus? Ou estou tentando agradar a homens? Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo.”

(Gálatas 1: 10)

Como líderes de louvor, ministros do altar, somos tentados pelas facilidades de falar, cantar, ministrar apenas aquilo que agrada às pessoas. Ministramos a música do momento, falamos aquilo que arranca manifestações de aprovação, aplausos, enfim..

Isso é muito fácil! Porém, é fato, e as escrituras nos dão base para dizer com propriedade, que as coisas que agradam ao povo, nem sempre (quase nunca) agradam a Deus. De qualquer forma, no período de louvor, ministramos aos homens!

Então, o que devemos ministrar?

Esta pergunta, por muitas vezes soou dentro de mim. Sempre em momentos de crise, quando eu sabia que o que Deus me direcionava a fazer ou a falar na ministração, não seria recebido com sorrisos por parte da igreja ou da liderança.

Lembro-me de uma vez, em especial, em que, nesse conflito, Deus usou um profeta (em mistério) para dizer a mim: “Ministra o que está em teu coração, filho!”. Levei um susto na hora, porque não estávamos em uma reunião de oração, mas dentro da sala de um escritório. Aquilo foi um grito de Deus, confirmando o que eu já sabia, mas não estava disposto a aceitar.

O que aprendo, tanto com minhas experiências pessoais, quanto com esta carta do Ap. Paulo aos Gálatas, é que, apesar de ministrar a homens, de nada vale, se não estiver cumprindo o querer do Senhor, em primeiro lugar.

Antes de agradar pessoas, o alvo do meu agrado é Deus! Fazer aquilo que Ele quer! Servir a Cristo e ser como Ele, levando Sua Palavra às pessoas ao meu redor. Se não for assim, não somos servos de Cristo.

Não importa o que Deus está te direcionando a ministrar! Você tem buscado viver no Centro da Vontade do Senhor? Então, creia que Ele tem posto dentro de você a vontade d’Ele. Com ousadia, agrade ao Senhor, libere a Palavra. Sirva a Cristo em primeiro lugar, afinal, foi para isso que fomos chamados.

No amor do Cordeiro e autoridade do Leão.

Douglas

Anúncios

Todos os meses, tenho que fazer uma leitura para enviar para a faculdade. O livro que estou lendo é “Liderança para um novo século” da Editora Descoberta. Ele contém uma série de estudos (Sete, no total) de diferentes autores, nacionais e internacionais e fala sobre vários aspectos de uma liderança promissora e da que fracassa. Tem sido um prazer ler este livro, pois tenho aprendido muito sobre mim mesmo, além de me identificar mais como líder.

Uma das coisas que descobri lendo este livro é que nem todos somos chamados para liderar! UAU! É isso mesmo! “Nem todas as pessoas são chamadas para o exercício da liderança, todavia, todas essas pessoas devem estar a serviço da obra de Deus e precisam colocar seus dons e talentos na construção do reino de Deus”, diz Antônio Carlos Barro. O que entendo sobre esta afirmativa é que mesmo se você não é chamado por Deus para liderar, deve estar disponível, caso seja necessário que lidere! Já pensou nisso? Você estaria preparado para substituir um líder de sua Igreja?

Isso é algo a ser pensado! Mesmo que você ainda não tenha sido chamado para liderar, deve preparar-se como se fosse um líder vocacionado para estar à frente de um grande propósito de Deus. Mesmo que Deus nunca te chame para liderar, esteja preparado para ser um líder em potencial. Saiba que muitos nascem com qualidades para a liderança, mas essa arte precisa ser aperfeiçoada através de estudos e também da prática dela.

É importante ressaltar aqui que uma liderança bem sucedida não está relacionada à fama ou a reconhecimentos humanos. Quem sabe, o ministério para o qual Deus te chamou diz respeito a uma árdua peregrinação de sofrimento e dor para gerar um tempo de conquistas que será vivido pelo povo enquanto outro líder for levantado em seu lugar (Lembrei de Moisés). Isso, porque o líder não é o foco! O foco é o propósito final para o qual Deus quer que o líder conduza o povo. Se pensava que liderar é estar em lugar de destaque e glamour, esqueça!

Diante disso tudo, o que importa é que os bons frutos precisam aparecer, e estar prontos para serem comidos pelos famintos, fortalecendo-os e inspirando-os para que o povo seja participante dos propósitos de Deus, e caminhe como ovelhas que têm um pastor. Mesmo que sua liderança seja caracterizada por alguns, ou vários, momentos difíceis, saiba que são eles que te levam de volta para a total dependência de Deus. Foi Ele quem te chamou, e é Ele o maior interessado no propósito final da sua liderança!

O principal é nunca perder o foco! Continue olhando para Cristo e seguindo a Ele, o resto, o Senhor mesmo fará!

Deu pra ver que em apenas um dia de leitura já aprendi bastante! É impossível uma liderança não crescer se focalizarmos o propósito ao invés de nós mesmos! Isso é fundamental! Espero que tenham gostado, e que usem essas instruções fundamentadas na Palavra para estar prontos para todo chamado do Senhor!

Vamos crescendo e caminhando para a Glória de Deus!

Forte abraço em todos!
Ficaria feliz se comentassem! Hehe =P
Abração!
Douglas =]

Olá, blogueiros!

Hoje parei um pouco e notei que há tempos não falo diretamente com você que lê meu Blog, tenho compartilhado meus textos e recebido muitos testemunhos, pois escrevo pensando mesmo no bem que minhas experiências pessoais no Ministério e/ou na vida Cristã podem te fazer mas, desta vez senti que seria especial começar de uma forma mais pessoal e agradecer por acessarem, divulgarem e comentarem aqui no Blog. Enfim, vamos ao que interessa:

Voltando ao nosso assunto sobre Ministério de Louvor, quero compartilhar algo que, para mim, era como um bicho de sete cabeças pois, se acontecesse, frustrava todas as minhas expectativas para a Ministração de Louvor do dia: “Ausência de componentes do Ministério”.

Fossem os ausentes vocais ou instrumentais, era algo intragável por mim! E hoje, devido às comemorações natalinas, nenhum vocal compareceu ao ensaio que antecede ao culto de domingo à noite. Somente os Músicos Instrumentistas foram – é, desta vez, com alegria, tenho que dar o mérito a eles!

Antigamente, minha reação seria de tristeza, frustração, por não poder fazer o momento de louvor como todos gostam: com todos os componentes em suas posições, preenchendo todos os espaços das músicas. Só quem me conhece, sabe o quanto sou exigente quanto a qualidade do Louvor na Igreja. Desta vez, tive que solar todas as músicas, até as de dueto! Um deles foi “Manancial” (DT1) Imagine só: eu, sozinho cantando “Eu te farei…” e “Eu quero ser…” ao mesmo tempo! Rsrs… Não foi bem assim! #Ufa!

Além disso, tive que trocar duas músicas que havia escolhido para a Ministração, pois, devido a ausência do Guitarrista, o Tecladista foi para a Guitarra e a Segunda Tecladista (que assumiu o teclado) não conhecia as duas canções escolhidas.

Antes, se isso acontecesse eu espernearia e, quem sabe, até choraria, por não querer aceitar que o que eu havia escolhido para cantar não seria bem da forma imaginada. Hoje, posso compartilhar esta experiência com vocês na certeza de já ter subido mais um degrau nesta caminhada do ministério. Graças a Deus, minha reação diante desses imprevistos, foi a de aceitar as mudanças necessárias. Afinal, Deus já sabia que essas tais mudanças teriam que acontecer, Ele mesmo havia permitido tudo isso.

É necessário compreender que, infelizmente, nem tudo acontece conforme planejamos, e assim acabar aprendendo que, diante dos imprevistos, precisamos contorná-los ao invés de deixar que eles atrapalhem o fluir de nossa alegria na presença do Senhor, e impeçam de transmitirmos para a Igreja aquilo que Ele compartilhou, antes, conosco.

Contorne! Use uma outra canção que carregue a mesma mensagem poderosa da Palavra de Deus. Mas não permita que sua ministração seja frustrada por algo tão pequeno, diante do que Deus pode fazer com seu coração e através de você se estiver livre para compartilhar com a Igreja o que está em você.

Só pra constar: A ministração foi maravilhosa! Os músicos estavam todos muito ligados e Deus agiu e fluiu naturalmente. Senti a presença de Deus de uma forma nova! Os testemunhos da Ministração de hoje já estão chegando! (Glória a Deus!) Só posso agradecer ao Senhor por não depender de nós, mas agir por Sua graça e misericórdia!

Que Ele te abençoe e ensine a lidar com os imprevistos! É um caminho difícil e um pouco longo, mas que só depende de você chegar lá.

Em Jesus,

Douglas =)

Desde que me formei no CTMDT em 2009, tenho recebido muitos convites para Ministrar Louvor, Palavra e também Oficinas de Composição e Liderança de Louvor. Meu tempo de convivência em uma das Bandas do CTM me fez crescer bastante e, hoje, posso compartilhar com as pessoas muito do que aprendi. Também tenho me dedicado a uma incessante pesquisa na área do Louvor e Adoração, servindo como uma forma de reciclagem para poder continuar abençoando vidas que presam pela excelência no Ministério de Louvor, assim como eu.

Hoje, quero compartilhar com vocês algo sobre este assunto. Uma grande dificuldade que percebo existir em todos os ministérios de Louvor para os quais ministrei as Oficinas foi que Músicos (Instrumentistas) e Vocais parecem caminhar em dois ministérios alheios. Não há entrosamento em ambas as partes. Por exemplo: Na maioria das Oficinas em que precisamos de alguém que pudesse ajudar tocando um instrumento, a exclamação que se ouvia em massa era que não havia nenhum instrumentista no local. Quando havia, era a parte menos atenta da plateia, que parecia não estar realmente interessada no que estava sendo ensinado.

Minha pergunta é: “Será que os músicos (instrumentistas) dos ministérios de louvor têm se sentido excluídos do mesmo? Ou será que não sentem a necessidade de preparar-se espiritualmente?” Vemos a ausência dos mesmos em cultos com menor frequência por parte da Igreja, além de consagrações matinais, Escolas Dominicais. Muitas vezes me senti como se estivesse implorando pra que um músico fosse a um ensaio, ou que ouvisse o material de ensaio em casa.

Infelizmente esta é uma realidade que precisa ser mudada para que haja o real crescimento do ministério, um crescimento saudável que faça com que todos consigam caminhar em unidade, pois, assim como “quando um não quer dois não brigam”, quando um não quer, dois não conseguem viver em comunhão, em unidade.

Se você é um músico e tem vivido esta realidade na sua Igreja, quero convidá-lo a mudar sua forma de agir. Aproveitar que estamos prestes a iniciar mais um ano e começar a ser alguém mais presente em ensaios e reuniões menos frequentes, chegando no horário marcado, quem sabe até antes, para afinar seu instrumento, preparar o que precisa ser feito e, assim ter um ensaio proveitoso. Se você não tem conseguido viver uma vida de consagração, comece a frequentar os ambientes que o ajudarão a quebrar, de uma vez, essas barreiras. Passe a respeitar as pessoas e a submeter-se a liderança, mesmo quando pedem para abaixar o volume do instrumento além do que você considera o necessário.

Se você também é um músico, mas não tem esse perfil, peço desculpas por generalizar alguns comentários acima, mas julguei ser necessário para que fosse feita uma auto-avaliação. Continue servindo no ministério, com sua busca por excelência e por fazer o melhor para o Senhor, consagre-se mesmo! Chegue no horário mesmo! Mesmo que você seja o único e pareça não valer a pena, persevere e, no tempo certo, quando você menos esperar, o Senhor honrará sua dedicação a Ele.

Espero ter cooperado para seu crescimento. Se você conhece algum músico (tanto os “perfeitinhos” quanto os “complicados” dos ministérios), envie este texto! Quem sabe, é o ponta-pé inicial para que uma mudança aconteça.

Que Deus nos abençoe!

Pela Graça de Cristo,

Douglas =)